Revista Sucesso

Atualizado em 10/07/2017

Educação

Medo, nosso melhor aliado em tempos de crise

Neste momento em que o Brasil passa por situações de incertezas imensas sentimos muito medo. Será este cenário a real fonte dos nossos medos?

Da redação

O Gênesis bíblico relata que Deus moldou o homen do barro e soprou em suas narinas o sopro da vida. Este sopro é a centelha divina que todos possuem. Portanto, todo sentimento, toda emoção, toda sensação que habita em nossa alma é derivada desta centelha e fundamental para nosso desenvolvimento emocional, psíquico e moral. O grande problema é que, por ainda não termos aprendido a lidar com alguns destes sentimentos como raiva, medo ou decepção, os classificamos como sentimentos negativos, como sentimentos de segunda categoria. Esquecemo-nos que tudo o que Deus colocou em nós é para nosso desenvolvimento, são ferramentas extremamente necessárias na construção do melhor em nós.

Analisemos o medo, este sentimento que costuma nos paralisar, nos tornar indefesos, impotentes, tirar nosso sono. Quando crianças, tínhamos medo de ficar em pé, necessitávamos aprender a engatinhar, a confiar nas mãos que nos davam sustentação e, então, de repente ficamos em pé sozinhos, nos sustentamos em nossos músculos e começamos a andar, a correr. Outros tantos medos foram superados até chegarmos à idade adulta, porém alguns permaneceram conosco como a nos lembrar que temos limites.

Hoje temos medo moral, a centelha divina que existe em nós nos alerta toda vez que estamos propensos a tomar uma decisão contrária à Lei Maior, gravada em nossas consciências pelo sopro da vida.

Neste momento em que o Brasil passa por situações de incertezas imensas sentimos muito medo, estamos diante de um remendo de política e políticos, empresários corruptores e corrompidos, judiciário que, no limite da lei, oscila ora para um lado, ora para o outro. Será este cenário a real fonte dos nossos medos? Já auscultamos nossa alma com todo desejo de encontrarmos sua origem? Podemos afirmar com toda certeza que nosso medo não vem de nossa intuição de que ainda não conseguimos vencer estes mesmos vícios em nós?

Deus nunca permitiria que passássemos pela crise que estamos passando se não fosse para o nosso bem, para o nosso melhor. Sempre que desprezamos os muitos avisos enviados pelo medo de que estamos cometendo enganos na condução de nossas decisões, de nosso comportamento, que não estamos nos responsabilizando pelas consequências de nossas escolhas, nos candidatamos a receber uma corrigenda na medida de nosso descaso. 

Nossos medos são avisos que nossa alma nos envia para nos orientar no melhor caminho a seguir. Que precisamos reavaliar nossa conduta. É imprescindível darmos maior atenção a este grande aliado da nossa construção moral. Quando agirmos em sintonia com o sopro de Deus em nós, não sentiremos mais medo moral.

Assim, como na infância quando tivemos que superar diversas etapas para nos mantermos em pé e andarmos por caminhos que escolhemos sem medo de cair, hoje é o momento de analisarmos nossos medos, entendermos sua mensagem, confiarmos em nossa centelha divina e, então, com a segurança que conseguimos construir, escolher novos caminhos que com certeza serão melhores.

“Tenha fé em Deus, tenha fé na vida!” Raul Seixas.

Maria Angela Miranda
Espírita


> Veja mais textos da colunista aqui

Medo, Crise financeira, Editora Sucesso, Revista Sucesso, Revista Bem-estar
Mais lidas
  1. Soluções inteligentes e funcionalidade
  2. Educação Infantil: um mundo de descobertas
  3. Cuidar das articulações garante vitalidade
  4. Ouvir bem é vida
  5. Disfunção eréctil: será que vou ter?
Leia também
  1. Leitura na adolescência estimula a criatividade...
  2. Aprimorar os conhecimentos estudando em casa é...
  3. UNICEF alerta para o risco de aumento do trabalho...
  4. Como a escola pode contribuir para conter a...
  5. Férias escolares, os riscos de acidentes e como...